Dona Ivone Lara: A Primeira-Dama do Samba By Lucas Nobile - Chapter 9 of 15: "Bodas de Ouro"

March 7, 2018

(© personal archives of Dona Ivone Lara's website)

 

DONA IVONE LARA

 

Legacy and Alchemy presents the DONA IVONE LARA story ... in 15 chapters.

 

In December 2015 at the VISOM Studio in Rio de Janeiro, Dona Ivone Lara recorded her final performances.  She recorded her classics: "Sonho Meu" and "Força da Imaginação" for Alexandra Jackson's "ALEXANDRA JACKSON: LEGACY & ALCHEMY" music album. 

 

"Sonho Meu" pays homage to the first 100 years of Samba. The track features Pretinho da Serrinha and Max Viana (whose father Djavan previously recorded "Sonho Meu" with Dona Ivone), with American stars Chris Walker, Darryl Tookes and Curtis King on vocals.

 

"Força da Imaginação" (co-written by Caetano Veloso) launches the next 100 years of Samba. The track features Pretinho da Serrinha, Max Viana, Ricardo Silveira, Arthur Maia and Marcelo Mariano.

 

Both tracks were Produced with Robert Hebert for his Legacy and Alchemy LLC international music label.

 

The tracks were recorded by engineers: Ricardo Dias, Guido Pera, Luther Banks and Danny Leake, mixed by Grammy Award winning engineer Ed Cherney at his mix room at The Village in Los Angeles, and mastered by the legendary Bernie Grundman.  

 

These final recordings reflect well on Dona Ivone's magical career in music.

 

Chapter 9 of 15

 

Even though her CD sales suffered a sharp decrease during the late 1980s, this decade would create good moments for Ivone. During the year of the album "Ivone Lara" (1985) was released, she received the news that Elizabeth Cardoso would once more interpret another one of her compositions: “Felicidade segundo eu”.

 

In 1988, the record company, Som Livre, started preparing a tribute album on the eighth anniversary of Cartola’s death. Ivone received the nickname "Cartola in skirts” by the media 12 years prior and was invited to record the last song on the album, "Tive sim".

In the late 1980s, Ivone stamped her passport on a continent that she had not performed yet, Asia. In 1989, she went on a long tour with Grupo Fundo de Quintal in several cities of Japan.

 

If Ivone's recorded albums: "Sorriso Negro", "Alegria", "Minha Gente" (Serra dos Meus Sonhos Dourados) and "Ivone Lara" in the 1980s, the next decade would have been quite different. With the emergence of new musical genres in the Brazilian music industry, such as pagode, axé and pop rock; samba was no longer being requested by record companies.
 

Ten years after the release of her last album, Ivone received a proposal to record an LP to celebrate the 50th anniversary of the date that she considered to be the beginning of her activities in samba; so it didn’t take long to come up with the album's title: "Bodas de Ouro" - (“Golden Wedding Anniversary”).

 

The album included appearances by the greatest names of the MPB at the time. The project featured Gilberto Gil in "Samba de roda para Salvador" and Djavan in "Sonho meu". "Bodas de Ouro" featured many phenomenal samba artists:

  • Martinho da Vila, “Não chora, neném”

  • Zeca Pagodinha, “Mas quem disse que eu te esqueço”

  • Almir Guineto, “Enredo do meu samba” and “Mel na boca”

  • Beth Carvalho, “Força da imaginação”, song composed by the duo Caetano Veloso and Dona Ivone Lara.

Like her other albums, "Bodas de Ouro" didn’t sell very well, but it was a very important record for the artist in the 1990s. For the sake of her fans, the next decade would be more generous with Ivone.

 

Buy the book at : https://www.saraiva.com.br/dona-ivone-lara-a-primeira-dama-do-samba-8994027.html

 

Capitulo 9 of 15

 

A segunda metade da década de 1980, embora pouco movimentada em termos fonográficos para Ivone, renderia bons momentos para a artista. O ano seguinte do lançamento do disco Ivone Lara (1985), ela receberia a notícia que Elizabeth Cardoso voltaria a interpretar outra composição sua, “Felicidade segundo eu”.

 

Já em 1988, a gravadora Som Livre preparava um disco em homenagem aos oito anos da morte de Cartola. Ivone, justamente ela que 12 anos antes fora batizada pela imprensa como “Cartola de saias, foi escalada para fechar o álbum com “Tive sim”.

 

O fim da década de 1980, Ivone carimbou o passaporte para se apresentar num continente em que ainda não tinha pisado, a Ásia. Em 1989, em shows realizados em diversas cidades do Japão, Ivone fez longa turnê com o Grupo Fundo de Quintal

Se os anos 1980 tinha sido generosos com Ivone em termos discográficos, pelo lançamento dos álbuns Sorriso Negro, Alegria Minha Gente (Serra dos Meus Sonhos Dourados) e Ivone Lara, a década seguinte seria bem diferente. Com a explosão do pagode, do axé e de bandas de pop rock, o samba foi escanteado pelas gravadoras.

 

Somente 10 anos após o lançamento de seu último disco, Ivone recebeu uma proposta de lançar um álbum para celebrar os 50 anos da data que Ivone considerava o inicio de suas atividades no samba. Assim, não demorou muito para que o título do álbum fosse definido: Bodas de Ouro.

 

O álbum contou com grandes nomes da MPB como Gilberto Gil em “Samba de roda para Salvador” e Djavan em “Sonho meu”. E também do samba:

  • Martinho da Vila, “Não chora, neném”

  • Zeca Pagodinha, “Mas quem disse que eu te esqueço”

  • Almir Guineto, “Enredo do meu samba” e “Mel na boca”

  • Beth Carvalho, “Força da imaginação”, canção feita pela parceria de Caetano Velosos e Dona Ivone Lara.

Assim como os outros álbuns da cantora, Bodas de Ouro não estourou em vendas., mas marcou a sua importância no sentido de ser um bom e único registro discográfico da artista nos anos 1990. Para a sorte dos admiradores, a década seguinte voltaria a ser mais generosa com Ivone.

 

Compre o livro em: https://www.saraiva.com.br/dona-ivone-lara-a-primeira-dama-do-samba-8994027.html

 

 

 

Please reload

Legacy and Alchemy Blog

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Vimeo Social Icon

© 2018 by Legacy and Alchemy LLC